Mostrar Mensagens

Esta secção permite-lhe ver todas as mensagens colocadas por este membro. De realçar que apenas pode ver as mensagens colocadas em zonas em que você tem acesso.


Mensagens - torreense

Páginas: [1] 2 3 ... 13
1
Boa tarde,
Não sei se Torres Vedras, representada pela sua Camara estará interessada em ser o motor da competitividade económica.
Provávelmente nem esteve neste evento que decorreu hoje. Provávelmente nem temos um lider Municipal interessado no desenvolvimento económico da nossa região.
Mas para o caso de alguém na Camara Municipal estar interessado em fundos europeus (duvido que não exista) para realizar estudos (não é preciso apresentar obra feita) para identificar os factores de desenvolvimento económico da região, alerto que eles (fundos) existem. Foram divulgados neste encontro em Pombal.
Pode ser que apareça alguma ideia que evite o definhar da nossa posição de concelho lider na região e traga algo mais produtivo para recuperarmos essa importancia do que Transforma´s, eventos "colturais", Feiras e feirinhas,......

Cumprimentos

Ser jocoso é menos que ser irónico e muito menos que ser maldizente
 :) :) :)




2
Cidadania - Geral / Re: Despesa publica da CMTVedras
« em: Fevereiro 24, 2015, 11:24:56 »
AS AUTARQUIAS SÓ SERVEM PARA GASTAR RECURSOS DE FORMA INEFICIENTE............
ESCLARECIMENTOS SOBRE DESPESA PÚBLICA?
ASSISTAM À ASSEMB MUNICIPAL E APRECIEM A QUALIDADE DO DEBATE E DOS INTERVENIENTES...

Artigo de opinião de PAULO MORAIS (negrito não consta do texto original)

Jornal Correio da Manhã  21.02.2015 00:30


As cidades portuguesas conquistam cada vez mais turistas e são consideradas destino de eleição para muitos especialistas. Têm património, restauração e hotelaria com boa relação qualidade-preço. E bom clima. Mas, paradoxalmente, não proporcionam qualidade de vida aos residentes. Para as famílias portuguesas, as suas novas cidades são hoje os centros comerciais. Menos por mérito próprio destes e mais por incompetência dos autarcas.

Os espaços comuns dos centros comerciais ganham em toda a linha.


O chão está limpo e em boas condições de conservação, enquanto ruas e passeios estão sujos e esburacados, alguns cheios de crateras, que ameaçam idosos e crianças incautas. Nos centros, há um ambiente geral de segurança, enquanto em algumas ruas, particularmente em Lisboa, paira a marginalidade. Além do mais, há todo um conjunto de equipamentos de que os centros dispõem, como parques infantis, WC asseados e fraldários, que rareiam na via pública. Nos shoppings, há zonas de descanso com mobiliário ergonómico; já nos jardins públicos os bancos estão danificados e os canteiros destruídos.

Não é pois de admirar que as famílias, nos seus tempos livres, procurem o conforto dos centros comerciais e não os espaços inóspitos das ruas.


O abandono do espaço público constitui um constrangimento crónico nas cidades portuguesas. O que é inadmissível, porquanto são gigantescos os orçamentos municipais, com os 700 milhões anuais de Lisboa a liderar. Mas os autarcas têm mais onde gastar dinheiro, distribuindo empregos por boys partidários ou repartindo benesses pelos mais diversos grupos de apaniguados. É claro que depois faltam recursos para aquela que deveria ser a primeira das missões municipais, a manutenção e conservação do espaço público. Há que pôr cobro aos erros acumulados.


É pois este o desafio da nova geração de autarcas, em particular nas áreas metropolitanas: gerir com seriedade e competência o património valioso que lhes é confiado. Se não o fizerem, então as autarquias só servem para gastar recursos.

3
Artigo de opinião de PAULO MORAIS

Jornal Correio da Manhã  21.02.2015 00:30


As cidades portuguesas conquistam cada vez mais turistas e são consideradas destino de eleição para muitos especialistas. Têm património, restauração e hotelaria com boa relação qualidade-preço. E bom clima. Mas, paradoxalmente, não proporcionam qualidade de vida aos residentes. Para as famílias portuguesas, as suas novas cidades são hoje os centros comerciais. Menos por mérito próprio destes e mais por incompetência dos autarcas.

Os espaços comuns dos centros comerciais ganham em toda a linha.


O chão está limpo e em boas condições de conservação, enquanto ruas e passeios estão sujos e esburacados, alguns cheios de crateras, que ameaçam idosos e crianças incautas. Nos centros, há um ambiente geral de segurança, enquanto em algumas ruas, particularmente em Lisboa, paira a marginalidade. Além do mais, há todo um conjunto de equipamentos de que os centros dispõem, como parques infantis, WC asseados e fraldários, que rareiam na via pública. Nos shoppings, há zonas de descanso com mobiliário ergonómico; já nos jardins públicos os bancos estão danificados e os canteiros destruídos.

Não é pois de admirar que as famílias, nos seus tempos livres, procurem o conforto dos centros comerciais e não os espaços inóspitos das ruas.


O abandono do espaço público constitui um constrangimento crónico nas cidades portuguesas. O que é inadmissível, porquanto são gigantescos os orçamentos municipais, com os 700 milhões anuais de Lisboa a liderar. Mas os autarcas têm mais onde gastar dinheiro, distribuindo empregos por boys partidários ou repartindo benesses pelos mais diversos grupos de apaniguados. É claro que depois faltam recursos para aquela que deveria ser a primeira das missões municipais, a manutenção e conservação do espaço público. Há que pôr cobro aos erros acumulados.


É pois este o desafio da nova geração de autarcas, em particular nas áreas metropolitanas: gerir com seriedade e competência o património valioso que lhes é confiado. Se não o fizerem, então as autarquias só servem para gastar recursos.

====

4
Boa tarde,
Estratégia?..... Qual?....
Não existe estratégia, amigos. Existem "medidas" avulsas que são implementadas sem avaliar os impactos e pior, não se monitoriza o resultado porque, entretanto acabou o período eleitoral ou não se é humilde para reconhecer o fracasso.
Mas reconhecer o fracasso para quê?.... Se a MER.A que foi feita não cai em cima de quem a fez...!!

Um abraço 

5
Boa noite,
Proposta:  Retoma da circulação automóvel nas zonas pedonais.

Com limitação de velocidade (explo: 10 Km/h)... Utilização obrigatória dos "4 piscas" para circulação nessas zonas. Proibição de abandono da viatura. Paragem só para carga e descarga ou recolha e largada de passageiros e pelo tempo minimo indespensável ou em zonas assinaladas (tempo limitado). Colocar limitadores de velocidade....(aceitam-se mais sugestões e ideias).

É só uma ideia para debate e eventual experiência.... Acho que todos íamos ter uma surpresa no resultado.
Esta ideia surgiu-me depois de perguntar a um "turista" se conhecia o centro de Torres, ele perguntou e disse:
 "Tem alguma coisa de interesse? Se pudesse passar de carro e achasse interessante até que procurava estacionar e dava uma volta......"

Curioso, não acham !!!!!!



6
Caro vigilante
Estava à espera que o resultado da  "experiência" em Santa Cruz fosse diferente do resto do mundo?
Nahhhhhh..... Até o burro que puxava a carroça do Sr. Manuel que conheci quando era criança, sabia de um dia para o outro onde estavam os buracos da estrada e evitava-os para não se magoar com os tombos.
O problema é que os "tombos" dos buracos que resultam das experiências não magoam o "burro" que puxa a carroça, porque esse só lá passou na inauguração.... Magoa aqueles "burros", incompetentes, que quando fazem "experiências" e lhes correm mal, ou encontram alternativas ou caem da carroça.
Incompetente não é aquele que decide mal, é aquele que sabendo o resultado de outras decisões iguais, decide igual pensando que com ele vai ser diferente.
Incompetente é aquele que vê o resultado errado da sua decisão e lava as mãos como Pilatos.
Mas, até se entende,...... pensar dá trabalho.
Bom fim-de-semana...

7
Oito anos se passaram desde que desafiei o Dr. Carlos Miguel a dar utilização ao espaço da antiga Casa Hipólito no Centro Histórico... Esse desafio resultou na "requalificação" daquele espaço e utilização como parque de estacionamento.... Mas pretendia mais.... Era também um desafio para criar um plano estratégico para o Centro Histórico...
Seria a forma de "obrigar" a formular estratégias que determinariam rumos ou formas de atingir objetivos. Essas estratégias reunidas e descritas num plano estratégico, que, por sua vez, concebido didaticamente a partir de uma análise de cenários, culminando com a elaboração de uma matriz que elucide ameaças e oportunidades.
O plano estratégico seria consubstanciado, então, num instrumento esclarecedor quanto:
- à missão - para quê;
- à visão - onde queremos chegar;
- aos valores - premissas quanto às atitudes para alcançar o objectivo;
- à estratégia - o que vamos fazer para alcançar o nosso objectivo e
- aos desdobramentos da estratégia - as grandes ações que precisamos conduzir e que comporão a estratégia, isto é, os objetivos estratégicos.
O plano estratégico nada mais é do que uma consolidação de ideias, que por si só não produzem resultados. Ao contrário, é na implementação dessas ideias que se vai obter o melhor da estratégia.
É necessário observar também que a estratégia precisa ser constantemente reavaliada e reformulada. pois o processo todo – formulação e implementação – não é construído apenas apoiado em questões concretas, mas é produto de mecanismos altamente complexos.
Dessa forma, o maior desafio da gestão estratégica está relacionado à sua efetividade prática no alcance dos objetivos propostos. Como toda função de gestão, isso pressupõe uma dinâmica permanente de planeamento, execução, monitorização, avaliação, ajustes e reajustes.
Se o objectivo era dinamizar o Centro Histórico, FALHOU.
E o reajuste?.... E a reorientação?..... Não existiu.
Pelo contrário continuou-se a mesma estratégia (FALHADA)... Tornar o centro histórico zona sem carros, pedonal.... Vêja-se o que fizeram no LARGO DE S. PEDRO.
Alternativas precisam-se....
Inverter a estratégia? Talvez... Então porque não?
RETOMA DA CIRCULAÇÃO AUTOMÓVEL NO CENTRO HISTÓRICO.... E avalie-se, monitorize-se o resultado. Talvez se tenha uma surpresa............

 


8
TRÂNSITO & ESTACIONAMENTO / Re: ESTACIONAMENTO GRÁTIS
« em: Abril 16, 2014, 15:40:35 »
Caro DFerreira, desculpe mas...
".. Que custos isto acarreta, que beneficios isto traz? ... "
Pergunta-se antes de....... e não depois de.
Alguém pensou ou planeou o funcionamento do Parque de Estacionamento e do próprio Mercado Municipal?........
Nahhhhhh o que interessava era ir buscar uns cobres "inventando" um Torres Ao Centro para construir o Mercado Municipal....
O resto?... O resto, depois se vê.....´
É triste mas é verdade... Acham os cidadãos estupidos e que não percebem nada disto.... E se correr alguma coisa mal, quem é que paga?.....
Agora vão mudar o Terminal Rodoviário... Já pensaram nas consequências?....
"..Que custos isto acarreta, que beneficios isto traz?..."
Nahhh... é uma experiênciazita e se correr mal volta-se para trás. E quem entretanto "morrer"?... Paciência, são os danos colaterais inevitáveis........
Falta diálogo, planeamento, estratégia e planos alternativos se a "coisa" correr mal.
Mas isso preocupa quem decide e paga pelos erros.......
Não preocupa quem fica impune e "sacode-a-água-do-capote" quando a "coisa" corre mal.


9
Boa noite.....
Esperei algum tempo para ver se a ACIRO agradecia, mas como isso não aconteceu.....
Agradeço o esclarecimento sobre quem são os culpados da desertificação do nosso centro
histórico.....
SÃO OS INCOMPETENTES DOS COMERCIANTES.
Está resolvido o enigma.

Obrigado.  :-X

10
TRÂNSITO & ESTACIONAMENTO / ESTACIONAMENTO GRÁTIS
« em: Abril 11, 2014, 19:05:58 »
Amigos....
Não é em Torres Vedras.... É nas Caldas da Rainha, a 150 metros do centro da cidade.... Coberto, com segurança, aberto 24 horas por dia e grátis durante os primeiros 90 minutos, é no CCC. Mas estão a fazer outro a 500 metros daquele, na rotunda frente ao tribunal, subterraneo........
Viva a CAPITAL DO OESTE...... por alguma coisa já lá está o Centro Hospitalar do Oeste, a Comunidade Intermunicial do Oeste, etc... Qualquer dia vai para lá o Tribunal..... Será?

11
Centro Histórico de Torres Vedras / MAIS CENTRO......
« em: Maio 31, 2011, 18:23:16 »
"É nas grandes metrópoles do futuro que o mundo se precisa de reinventar. Nelas será necessário encontrar padrões mais justos e equilibrados de desenvolvimento. Mas a sua sustentabilidade não deve apenas ter em conta os desafios ambientais. Também deve integrar sociais e económicos que se reflictam em índices de desenvolvimento humano e pegadas ecológicas.

As cidades mais sustentáveis são compactas e densas. Por isso geram menor consumo de energia per capita do que aquelas que se espraiam por grandes zonas suburbanas de baixa densidade, em que a mobilidade individual é muito mais elevada.

O fenómeno de dispersão das cidades tem contribuído para elevar o tráfego automóvel, o consumo energético e a área de solo ocupada. Para isso é preciso torná-las mais densas e diversificadas, atraindo as pessoas, actividades e investimento para o seu centro. Cidades mais densas da Europa, como Barcelona, são hoje modelo entre as cidades mais verdes e sustentáveis.   "
 in Jornal de Negócios, O desafio está nas cidades, 31-05-2011

12
Boa noite
Incêndio em prédio no centro histórico das Caldas da Rainha faz 3 mortos.... (E tinha sido restaurado à pouco tempo -12 anos)

Ainda não passaram muitos dias desde o incêndio no prédio da Rua dos Cavaleiros da Espora Dourada onde, felizmente não houve feridos ou vitimas a lamentar e que passou ao esquecimento.
Aproveito o facto deste acontecimento lamentável nas Caldas da Rainha para perguntar.... O incêndio na nossa cidade mereceu alguma reflexão por parte da nossa Camara Municipal sobre o mesmo?
Ou pelo facto de não haver mortes foi esquecido?
Quantos prédios têm que arder, quantas pessoas tem que morrer para se pensar no assunto e pensar soluções de modo a minimizar a probabilidade de estas situações ocorrerem?
Cumprimentos 
 

13
Hospital / Re:Novo Hospital? Sim ou Não?
« em: Janeiro 27, 2011, 14:33:16 »
Penso que o mais importante, necessário e urgente será mesmo a construção de um novo hospital e de preferência num lugar sossegado sem um monte de escolas por perto..porque se há algo que não faz qualquer sentido e do que conheço só mesmo em torres vedras...é que constroem as escolas ao lado do hospital!!!!como é que foi possível???doentes em fase terminal e ali ao lado imenso barulho dos miudos e campainhas...dá que pensar!!!

Não perca tempo com essas constatações de verdades indesmentiveis.......
O forista é novo na cidade e desconhece que o ordenamento desta cidade foi premiado a nivel nacional.......
Sabe como?.....
O nosso presidente de camara dos anos 80..... quando se deu o "boom" da nossa cidade em termos de expansão..... Previu e ordenou de forma tão exemplar a nossa cidade que foi "premiado" com a subida ao poder central como Secretário de Estado do Ordenamento do território.....
Como pode vc se atrever a dizer essa barbaridade de "porque se há algo que não faz qualquer sentido e do que conheço só mesmo em torres vedras...é que constroem as escolas ao lado do hospital"?
Então não sabia que o responsável por essa "arrumação" até foi premiado?
Mas tem mais "arrumações" como a que é denunciada...... É só estar um bocadinho mais atento e ver uma Bomba de combustivel junto a area escolar e residencial (repsol - conquinha), que por sua vez está junto a estruturas de comércio com grande afluxo de pessoas (Modelo, Pingo Doce, Lidl)...
Um bairro residencial junto a uma estrutura industrial altamente prejudicial à saude (Fundição de Dois Portos).
Uma zona histórica totalmente desertificada, abandonada, descaracterizada.... sem projectos.
E tem mais..... é só procurar!?!?

Cumprimentos e seja bem vindo ...... mas se se preocupa com essas "mariquices" de ordeamento, organização, planeamento(coisas supérfulas) ..... então está na cidade errada ou até quem sabe, no país errado...

14
Escolas / Obras na Escola Henriques Nogueira
« em: Janeiro 11, 2011, 12:47:44 »
Caros amigos Torreenses....
Este fórum (do site da CAMARA MUNICIPAL DE TORRES VEDRAS) é a imagem deste país.....
Vejam este tópico, 5 meses sem resposta ou esclarecimento.
Para quê um forum se quem deveria esclarecer não o faz.
Mas é natural..... a pergunta incomoda!
É uma pergunta inteligente, perspicaz, de quem se preocupa com o que o rodeia....., só que, caro Pedro Oliveira, ninguém lhe vai responder porque não se sentem obrigados a isso e sabem que seria uma discusão cujo resultado obrigaria a mais uma intervenção do Dr. Carlos Miguel.
 

Cumprimentos

15
Fórum de Participação Pública do "Torres ao Centro" 22 Outubro » Sexta-Feira » 21h00
Auditório do Edifício Paços do Concelho » Praça do Município » Torres Vedras

Este 1º fórum de participação pública assume dois grandes objectivos:
 
a) Informar e esclarecer a comunidade local, nomeadamente os moradores e comerciantes do centro histórico, tendo em vista o reforço da aceitação do público perante as acções previstas;
 b) Dar visibilidade às intervenções previstas no Torres ao Centro, ancorando este programa no interior da comunidade, potenciando os seus efeitos sociais, nomeadamente através do aumento da procura e do sentido de pertença.

A todos os que aqui têm contribuido para o debate sobre os problemas do Centro Histórico, chegou a hora de com a v/ presença transmitirem as v/ preocupações e sugestões.........

Vou lá estar........


NÃO ESQUECER...............

Páginas: [1] 2 3 ... 13