Autor Tópico: Carnaval para sempre  (Lida 6244 vezes)

Offline DFerreira

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 413
  • Popularidade: +7/-2
    • Ver Perfil
Re: Carnaval para sempre
« Responder #45 em: Fevereiro 02, 2016, 14:13:53 »
Duas noticias no mesmo badaladas publicadas em 28-01-2016

“Figuras e figurões” custam 600 mil euros
Está tudo a postos para o início dos festejos do Carnaval de Torres Vedras, entre cinco e 10 de fevereiro, sob o tema “Figuras e figurões”. Este ano a PromoTorres, empresa municipal que organiza o evento, vai disponibilizar o maior orçamento dos últimos seis anos (desde 2009), 600 mil euros.

"Câmara de Torres Vedras contrai empréstimo de 2,5 ME
A Câmara Municipal de Torres Vedras aprovou na passada terça-feira, dia 26, a contração de um empréstimo de curto prazo à Caixa Geral de Depósitos, no valor de 2,5 milhões de euros, para reduzir os prazos de pagamentos aos fornecedores e alguns problemas de tesouraria. A proposta de empréstimo foi aprovada por unanimidade.

600mil euros para Carnaval, com um retorno económico para a autarquia ainda não esclarecido, e 2,5M euros para despesa corrente?

O Municipio de Torres Vedras caminha a passos largos para se tornar a Portimão da zona oeste.
Talvez também se deva privatizar as nossas rotundas. Peço desculpa, privatizar, nãoo... "adoptar"
https://www.publico.pt/local/noticia/camara-de-portimao-troca-publicidade-nas-rotundas-por-manutencao-dos-espacos-verdes-1722075

Offline NDL

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 50
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Re: Carnaval para sempre
« Responder #46 em: Fevereiro 04, 2016, 19:51:26 »
Falcatrua carnavalesca esperava-se em terra em que a flora de grande porte é pura e simplesmente apoucada.

Já não se esperava era que se tomasse por parvo o povo folião.

Pela primeira vez, as ilustres instituições que dirigem os destinos locais decidiram aumentar o livre-trânsito para os 15€.

Como é próprio da mesmas, foi à socapa e só em vigor a partir do sábado de Carnaval, a fim de garantir que os turistas de fora paguem os buracos cá de dentro.
 

Offline vigilante

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 569
  • Popularidade: +4/-1
    • Ver Perfil
Re: Carnaval para sempre
« Responder #47 em: Fevereiro 06, 2016, 06:16:51 »
Ainda vamos ter a Troika em Torres Vedras. Entram milhões e ainda se pede milhões........alguma coisa não vai bem na gestão do municipio.
 

Offline DFerreira

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 413
  • Popularidade: +7/-2
    • Ver Perfil
Re: Carnaval para sempre
« Responder #48 em: Fevereiro 16, 2016, 16:08:47 »
Noticia do Badaladas

" Câmara deu livres-trânsito aos funcionários

Este ano, pela primeira vez, a Câmara Municipal de Torres Vedras deu “livres-trânsito” a todos os seus funcionários no “Carnaval mais português de Portugal”."
Gostaria de ter acesso à noticia completa, para entender se estende mais acerca deste assunto, nomeadamente, quantos beneficiários, quanto ficou o custo total, e se há esclarecimentos pela câmara acerca da motivação desta medida.

Segue uma noticia que tem haver com uma avaliação do Tribunal de Contas em 2014, acerca de confraternizações de Natal de um instituto publico, pagos com o respectivo orçamento (dinheiros publicos)

"Uma vez que não decorrem da prossecução do interesse público, inscrito nas atribuições do IHRU, I., as supra descritas despesas com almoços de Natal do pessoal, no montante de 13.966,40 euros, não podiam constituir despesa pública."
    "Os pagamentos realizados, porque desprovidos de fundamento legal, são indevidos e, por consequência, geraram o correspondente dano ao erário público
    "Em rigor, a lei não impede tais confraternizações, o que não consente é que elas sejam pagas com dinheiro dos contribuintes, que naturalmente está afectado à prossecução do interesse público, mediante o desempenho das atribuições do instituto público em causa."
    "A autorização de despesa e o consequente pagamento são, pois, ilegais e, por conseguinte, um tal comportamento integra uma situação de pagamentos indevidos."

As perguntas que faço agora são:
- qual é o "interesse público" que justifica a oferta de livre-trânsito aos funcionários municipais?
- qual foi o custo para a autarquia com essa oferta?
- qual o impacto no orçamento do municipio, não só em termos de valor, mas em termos de enquadramento? ou seja, é uma despesa considerada no orçamento do municipio, e quanto foi essa despesa?
- como é que a câmara / promotorres justifica uma oferta destas aos seus funcionários, após o aumento do valor do livre transito para os visitantes para 15€, não baixa no IMI da cidade e prejuizo pessoal aos moradores que moram nos locais do Carnaval?
- os moradores inseridos no espaço fechado do corso pagam o livre trânsito?
- os funcionários / empresários de empresas inseridas no espaço fechado do corso pagam o livre trânsito?
- e ainda, a Câmara/Promotorres controlou a utilização dos livres trânsito oferecidos pelos beneficiários, de forma a impedir a revenda e consequentemente revertendo o valor da venda para o bolso do beneficiário da oferta?

Peço também se alguém pode responder, se este tipo de oferta não se enquadra no tipo de despesa que vem referido no acórdão do Tribunal de Contas como ilegal, por não estar relacionada com a função a que se afecta a instituição

Estendendo a análise, onde posso ver as contas relativas ao Carnaval deste ano 2016?
« Última modificação: Fevereiro 16, 2016, 16:13:19 por DFerreira »

Offline NDL

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 50
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Re: Carnaval para sempre
« Responder #49 em: Maio 07, 2016, 02:11:34 »
 Já é Carnaval a mais.

Há que demitir a edilidade por incompetência grosseira na gestão dos interesses do município, num mandato que tem sido marcado pela matança a sangue frio de espécies arbóreas. A nova chefia já deixou marca para a História, na recente surripiagem que ocorreu no Jardim da Graça de património que é dos torrienses, uma autêntica chacina vegetal, cuja cegueira apenas pode resultar de incapacidade ou de recurso ao direito artificioso que a Lei confere a titulares de mandatos autárquicos, o qual, pese embora possa ser legal, é insensato, e vai contra a obrigação imperiosa de defesa dos cidadãos, de os representar e de lhes auscultar as opiniões.