Autor Tópico: Dia Mundial da Consciencialização do Autismo  (Lida 963 vezes)

Offline adabreu

  • Newbie
  • *
  • Mensagens: 9
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Dia Mundial da Consciencialização do Autismo
« em: Abril 02, 2012, 14:00:23 »
Hoje, dia 2 de abril é o Dia Mundial da Consciencialização do Autismo. Este dia foi decretado em Dezembro.2007 pela ONU (Organização das Nações Unidas) traduzindo a profunda preocupação desta organização em informar e alertar as pessoas para esta desordem.

O autismo é uma desordem neurobiológica complexa, integrada num grupo maior de desordens conhecido como Perturbações do Espectro do Autismo (PEA). Manifesta-se sem distinção racial, étnica e social.
Embora não existam dados precisos da incidência do autismo, estima-se que nos Estados Unidos da América exista 1 criança com autismo em cada 110 sendo cerca de 4 vezes mais comum em meninos do que em meninas (estudo do CDC - Center of Deseases Control and Prevention). Assume-se que este padrão de prevalência seja idêntico nos restantes países.
A ONU acredita que existam no mundo mais de 70 milhões de pessoas com autismo. Todos os anos são diagnosticados mais casos de autismo do que de diabetes, cancro e sida todos somados!
O autismo compromete a capacidade de comunicação e de relacionamento com os outros. Falar, olhar nos olhos, cumprir regras sociais básicas são tarefas que podem ser dolorosas para os autistas. O autismo está também associado a rotinas e comportamentos repetitivos e embora no senso comum o autismo seja frequentemente associado a casos bastante graves, como perturbação de espectro que é, o autismo pode-se manifestar nos mais variados graus sendo comum dizer-se que não há dois autistas iguais pelo que a abordagem terapêutica tem de ser individualizada e adaptada às necessidades específicas de cada um.
Em qualquer dos casos, o autismo em si não tem cura. No entanto, quanto mais precoce for a intervenção, maiores serão as possibilidades de a criança autista conseguir levar uma vida autónoma e integrar-se na sociedade sendo que ela própria se deve também adaptar às necessidades dos autistas.