Autor Tópico: Curiosidades históricas  (Lida 4535 vezes)

Offline MiguelR

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 243
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Curiosidades históricas
« em: Maio 06, 2007, 17:47:08 »
A 1ª Linha de caminho de Ferro entre Lisboa e Torres Vedras

Larmanjat
O Larmanjat assenta numa via constituída por um carril apenas, ladeado por duas passadeiras de madeira distanciadas de 20 centímetros do carril central. Para tornar o conjunto estável, tanto o carril como as passadeiras, estavam pregados a travessas, por meio de cavilhas de ferro.

As locomotivas bem como as carruagens e os vagões estavam munidos de rodas centrais e laterais, rodando sobre umas sobre o carril e outras sobre as passadeiras.

Nas locomotivas, as rodas centrais funcionavam como guias e as laterais, maiores que as centrais, transmitiam o peso do veículo às passadeiras, provocando o atrito necessário ao movimento.

Nas carruagens e vagões, ao contrário das locomotivas, o peso do material actuava sobre o carril central a fim de diminuir, tanto quanto possível, o atrito, servindo as rodas laterais apenas para equilibrar o sistema.

Esta via reduzida a um só carril, permitia ser assente nas bermas de uma estrada, não precisando de um caminho próprio como a maioria dos transportes do género. Por esses motivos e pela facilidade com que as locomotivas subiam rampas e descreviam curvas de raio pequeno, era este sistema considerado essencialmente económico.

O Larmanjat em Portugal
O Marechal Duque de Saldanha assistiu à primeira demonstração do Larmanjat na França, e como em Portugal se vivia numa febre de progresso, num desejo de sair de um tempo inútil de disputas internas, viu nesse comboio a possibilidade de desenvolver a viação acelerada no país.

No ano de 1869 foram concedidas as licenças para estabelecer um caminho de ferro sistema Larmanjat nos seguintes percursos:

Carregado - Alenquer
Cascais - Pêro Pinheiro
Lisboa - Lumiar - Torres Vedras - Caldas da Rainha - Alcobaça - Leiria

Depressa a nova empresa começou a expandir a rede de linhas de caminho de ferro Larmanjat. Construíram duas linhas importantes ao longo de estradas de ligação: uma de Lisboa para Sintra com uma extensão de 26 quilómetros, e outra de Lisboa para Torres Vedras com 54 quilómetros de comprimento. A estação de origem para estas duas linhas era comum e ficava no local onde estão as Portas do Rego em São Sebastião da Pedreira.

Na viagem inaugural da linha de Sintra foi na manhã do dia 2 de Julho de 1873, pelas nove da manhã. Nas quatro carruagens rebocadas pela locomotiva Lumiar viajavam, entre outros convidados, o Director Geral das Obras públicas, os construtores ingleses William Major e Trevithick. A viagem durou uma hora e cinquenta e cinco minutos, com três paragens, em duas das quais a locomotiva se abasteceu de água. Segundo notícias da época, tornara-se «notável a facilidade e presteza com que o comboio subiu todas as rampas». Três dias depois da inauguração do novo troço do caminho de ferro Larmanjat, o trajecto abriu ao serviço público.

O caminho de ferro para Torres Vedras foi inaugurado a 4 de Setembro do mesmo ano sem convidados de grande relevância. O serviço ficou aberto ao público dois dias depois.

Mas pouco tempo depois, a expectativa criada à volta dos caminhos de ferro Larmanjat foi diminuindo. Os descarrilamentos era muito frequentes e o tombos das carruagens provocavam ferimentos nos seus passageiros. O Larmanjat começou a perder adeptos.

A companhia tentava atrair o público com baixas de preços, mas em vão, os tempos do Larmanjat estavam contados. Os comboios deixaram de cumprir horários e demorar mais do dobro do tempo para percorrer o mesmo percurso.

A 30 de Março de 1875 a companhia anunciou um novo horário que previa, tanto na linha de Sintra como na de Torres Vedras, três circulações diárias em cada sentido. Nove dias depois, no dia 8 de Abril suspenderam o serviço de passageiros e de mercadorias nas duas linhas. Algum tempo depois a empresa abriu falência. O caso arrastou-se pelos tribunais londrinos.

A linha de Sintra, que se destinava essencialmente ao tráfego de passageiros, não teve quaisquer efeitos económicos, já a linha de Torres Vedras, cujo principal tráfego eram mercadorias, sobretudo vinho das zonas agrícolas para a cidade, teve um grande impacto no aspecto comercial.

Mais tarde veio o bicarril de Stephenson que bateu o monocarril. As regiões prejudicadas pelo fracasso, exigiam a construção do novo caminho de ferro. Só em 1887 as linhas monocarril de Sintra e Torres Vedras, foram substituídas pelos caminhos de ferro bicarril.
(fonte: wikipédia)

Resta dizer que as estações no nosso concelho eram Freixofeira, Turcifal, Carvalhal e Torres Vedras. O caminho de Ferro seguia a estrada Lisboa - Torres Vedras, hoje E.N.8



 

Offline djoliveira

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 320
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Curiosidades históricas
« Responder #1 em: Maio 10, 2007, 07:08:47 »
Que bela curiosidade, não sabia,mas fiquei
a saber disto que faz parte da história da nossa terra.
Obrigado pela divulgação.

Cumprimentos

Offline Joao pereira

  • Jr. Member
  • **
  • Mensagens: 83
  • Popularidade: +1/-0
    • Ver Perfil
Curiosidades históricas
« Responder #2 em: Maio 13, 2008, 05:38:41 »
Boa noite
Penso que interessa referir que a primeira estação de caminho de ferro de torres vedras , segundo esse traçado , não se situava onde hoje existe , mas sim por detras do edificio da actual caixa geral de depositos , e , ainda há bem pouco tempo ainda existia ainda que em avançado estado de degradação
 

Offline André Martins

  • Hero Member
  • *****
  • Mensagens: 2271
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Curiosidades históricas
« Responder #3 em: Agosto 07, 2008, 07:40:18 »
E como ninguém sabia bem o que era, deitou-se abaixo... Infelizmente é o que acontece com o património histórico edificado de Torres Vedras. Por acaso não tinha conhecimento dessa linha férrea...
André Martins

Torres Vedras é uma terra privilegiada. Pena é os privilégios não serem para todos...

Offline PraiaSC

  • Full Member
  • ***
  • Mensagens: 116
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Curiosidades históricas
« Responder #4 em: Agosto 07, 2008, 08:32:16 »
Boa noite, a estação não era atrás da CGD mas sim no Bairro que existia por detrás da antiga taberna do Vescelau, sim já foi tudo demolido, os vestigios da antiga estação e o bairro no qual chegou a existir a sopa dos pobres (se estou errado por favor me corrigem).
 

Offline JRODRIGUES

  • Sr. Member
  • ****
  • Mensagens: 356
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Curiosidades históricas
« Responder #5 em: Setembro 09, 2008, 09:37:03 »
Bairro pr detrás da antiga taberna do venceslau, chama-se ou chamava-s Bairro Tertuliano. E quanto a lá existir a antiga estação desconhecia, apesar de conhecer relativamente bem aquela zona á mais de 30 anos.
 

Offline Simple_Payne

  • Newbie
  • *
  • Mensagens: 17
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Re:Curiosidades históricas
« Responder #6 em: Setembro 15, 2010, 14:08:03 »
Sou novato no forum e desculpem desenterrar isto mas, era inevitavel adjectivar este tópico como excelente!

Offline costaalves

  • Newbie
  • *
  • Mensagens: 8
  • Popularidade: +0/-0
    • Ver Perfil
Re: Curiosidades históricas
« Responder #7 em: Junho 25, 2014, 12:00:16 »
Este monocarril não tinha estações tal como as conhecemos hoje.

Ao contrário dos tradicionais dois carris paralelos, o sistema Larmanjat baseava-se num único carril, no qual encaixavam rodas localizadas no eixo central da locomotiva a vapor e das carruagens. Para que a composição não tombasse existiam ainda rodas laterais de apoio que deveriam assentar numa superfície plana, preferenciamente passadeiras de madeira colocadas ao paralelamente ao carril em ambos do lados.7

Era, por isso, um sistema mais económico pois circulava pelas estradas, não necessitando, por consequência, de caminho próprio.

estes dois blogs dão uma ideia mais fiável do que foi o monocarril.

http://vedrografias2.blogspot.pt/2009/10/ha-140-anos-o-governo-concedia.html
http://jfvfrosario.no.sapo.pt/Larmanjat/Larmanjat.htm